Resenha - Cartas de Amor aos Mortos

domingo, fevereiro 07, 2016 0 Comentários A+ a-


Título: Cartas de Amor aos Mortos
Autora: Ava Dellaira
Editora: Seguinte
Nº de páginas: 344
No Skoob: Clique Aqui
Comprar: Clique Aqui

Sinopse:
Tudo começa com uma tarefa para a escola: escrever uma carta para alguém que já morreu. Logo o caderno de Laurel está repleto de mensagens para Kurt Cobain, Janis Joplin, Amy Winehouse, Heath Ledger, Judy Garland, Elizabeth Bishop… apesar de ela jamais entregá-las à professora. Nessas cartas, ela analisa a história de cada uma dessas personalidades e tenta desvendar os mistérios que envolvem suas mortes. Ao mesmo tempo, conta sobre sua própria vida, como as amizades no novo colégio e seu primeiro amor: um garoto misterioso chamado Sky. Mas Laurel não pode escapar de seu passado. Só quando ela escrever a verdade sobre o que se passou com ela e com a irmã é que poderá aceitar o que aconteceu e perdoar May e a si mesma. E só quando enxergar a irmã como realmente era — encantadora e incrível, mas imperfeita como qualquer um — é que poderá seguir em frente e descobrir seu próprio caminho.

Oi gente, tudo bem com vocês?
Animados nesse domingo de Carnaval?

    Cá estou eu pra trazer a estória da Laurel, sua família e amigos de Cartas de Amor aos Mortos.


    O livro é jovem e contemporâneo, a protagonista (Laurel) está em um grande dilema, sua irmã May morreu e seus pais se separaram. E nessa turbulência Laurel foi morar com seu pai e sua tia Amy, uma mulher religiosa que não tinha muito contato com Laurel.
    May tinha muitos amigos no colégio, usava roupas descoladas e ia em muitas festa. A morte de May foi um mistério, que só  Laurel tem a resposta.
    Em uma escola nova e sem amigos, Laurel precisa de alguém para desabafar e contar os seus segredos. O desejo de Laurel parece ser atendido quando sua professora de inglês manda  para a classe a tarefa de escrever uma carta para alguém que já morreu. Logo Laurel escreve cartas para Amy Winehouse, Amelia Earhart, Elizabeth Bishop, Kurt Cobain, entre outros. Só que ela nunca teve coragem de entregar a tarefa,  já que escrever era sua única opção para desabafar.

As melhores cartas do livro são para Amy e Amelia.


Essa é a imagem do filme "Amelia"  que por sinal é muito bom (peçam pra Pamela fazer uma resenha do filme)
    Um pouco do desabafo de Laurel para Amelia:
" Hoje  de manhã, decidi que preciso da sua coragem, ao menos de uma parcela mínima dela, porque comecei o ensino médio três semanas atrás e não posso ficar sentada sozinha no almoço" (página 24)
    No decorrer do livro, Laurel faz amizades, entre elas está Natalie e Hannah, duas meninas lésbicas. Ela arruma um namorado, o misterioso Sky.


" Quando  seu primeiro álbum foi lançado, você ainda tinha um ar inocente, de uma garota bonita que dizia se achar feia nas entrevistas. Mas quando seu segundo álbum saiu, você tinha inventado uma personagem. Subia ao palco de vestido, bebendo, com o penteado enorme e delineador à Cleópatra(.......) você usava roupas como se fossem uma armadura,mas, nas músicas, se abria totalmente" ( página 69)
    Esse livro foi uma leitura boa, pois percebi que houve uma mudança perceptível das personagens. Laurel teve mais contato com a Tia Amy e seu pai, ela se perdoou pela morte de May,  e Natalie e Hannah assumiram o relacionamento. Muito mais do que uma estória emocionante, Carta de Amor aos Mortos nos deixa com coragem para enfrentar qualquer coisa que venha a desmonorar o nosso mundo.

   E aí alguém já leu o livro?
 Se sim, digam o que acharam nos comentários
E quem ainda não leu corre logo para a livraria mais próxima e compre já o seu!

Sara Muniz, dona do blog Interesses Sutis, sou apaixonada por ler, escrever e criar. Adoro música erudita, rock, pop, música francesa e de vez em quando até uma musiquinha indiana para dar uma animada! Preciso ver artes plásticas para me inspirar a escrever. Meus autores preferidos são Patrick Rothfuss, J.R.R. Tolkien, Brandon Sanderson, Jostein Gaarder e Khaled Hosseini (nessa ordem). Amo cantar e desenhar - mesmo fazendo ambas as coisas mal -, sou fissurada por cachorros e todos são "bebês fofinhos" para mim. Às vezes, eu acho o mundo lindo, outras vezes eu acho que a colisão de um meteóro com a Terra seria a salvação. Saiba mais sobre mim na página "About"!

"Comento, logo existo."